Notícias da Mídia


Comércio varejista de Fortaleza espera movimentar R$ 307,4 milhões no Natal

Publicado em: 05.12.2018

Segundo pesquisa da Fecomércio Ceará, 47,4% dos consumidores afirmaram que irão às compras no período, com um gasto médio estimado em R$ 368

 

No Natal deste ano, o comércio varejista de Fortaleza deverá movimentar R$ 307,4 milhões, o que representa um crescimento de 6,0% em relação ao faturamento do ano passado (R$ 290 milhões). Segundo a Pesquisa sobre o Potencial de Consumo do Fortalezense, realizada pela Fecomércio Ceará, 47,4% dos consumidores afirmaram que irão às compras no período. O gasto médio por consumidor é estimado em R$ 368 e a maioria deverá fazer o pagamento à vista, sendo 58,5% em dinheiro e 10,8% no cartão.

Apesar do crescimento do volume movimentado, o estudo revelou que houve queda no percentual de consumidores com intenção de comprar presentes, que passou de 53,9%, em 2017, para 47,4% neste ano. Ainda assim, o gasto médio por consumidor cresceu 9% em relação ao ano passado. Com relação ao gasto individual com presentes, 20,1% dos entrevistados pretendem desembolsar R$ 400 ou mais, 18,9% ficarão de R$ 101 e R$ 150, 14,1% gastarão de R$ 51 a R$ 100, e 13,8% de R$ 201 a R$ 250.

Quanto à quantidade de produtos que os consumidores pretendem comprar para o Natal, 29,0% irão adquirir cinco ou mais itens, 24,4% três, e 20,5% dois produtos. Para a Fecomércio-CE, os dados, do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Ceará (IPDC), “confirmam o Natal como a data comemorativa mais importante para o varejo de Fortaleza”. A entidade avalia que o impacto para o varejo ainda pode ser ampliado, considerando que 12,1% dos entrevistados disseram ainda não ter intenção de compra definida.

Para o presidente da Fecomércio-CE, Maurício Filizola, além do crecimento em relação aos números de 2017, a expectativa é de que as vendass neste Natal superem os valores obtidos na pesquisa, uam vez que muitos consumidores ainda se dizem indecisos com relação às compras. “Agora, o empresário busca fazer com que essas vendas aconteçam. O 13º influencia esse processo de ir às compras”, diz.

Perfil do consumidor
O perfil dos entrevistados que afirmaram intenção de compras mostra a maioria de consumidores do gênero masculino (48,9% de resposta positiva), com idade entre 21 e 35 anos (57,7%) e renda familiar superior a seis salários mínimos (68,3%). O mix de produtos não teve alteração e o consumidor mostra preferência por artigos de vestuário, com 59,5% de citação, seguido de brinquedos (32,0%), calçados, cintos e bolsas (24,5%) e itens de perfumaria (20,4%).

Produtos
Confirmando uma tendência inaugurada no período da crise econômica, o consumidor tem preferido os bens de consumo semiduráveis, com claro destaque para os itens de uso pessoal, como vestuário, calçados e bolsas e itens de perfumaria.

Dos produtos que lideram a intenção de compras, os artigos de vestuário foram citados por 59,5% dos entrevistados, sendo mais relevante para os homens (59,7% de respostas positivas), do grupo com até 20 anos de idade (65,1%) e renda familiar mensal entre três e seis salários mínimos (64,8%).

Os brinquedos, com 32,0% de resposta positiva, serão mais procurados pelas mulheres (35,6% de respostas positivas), do estrato com idade entre 21 e 35 anos (37,5%) e renda familiar mensal de mais de seis salários mínimos (43,4%).

Na terceira posição da lista dos produtos mais procurados, calçados, cintos e bolsas tiveram 24,5% de citação. O perfil do comprador é parecido ao do consumidor de artigos de vestuário, com preponderância dos homens (25,5%), pessoas do grupo com mais de 36 anos de idade (26,6%) e renda familiar mensal entre três e seis salários mínimos (30,6%).

Finalmente, os itens de perfumaria e cosméticos aparece com 20,4% de citação, sendo mais procurado pelas mulheres (23,6%), pelo estrado com idade acima dos 36 anos (21,9%) e renda familiar acima dos seis salários mínimos mensais (35,2%).

Forma de pagamento
A pesquisa mostra ainda que o consumidor prefere o pagamento à vista (59,5%) ou através do cartão de crédito (40,0%). O gasto médio por consumidor é estimado em R$ 368, entretanto, como 63,8% dos consumidores irão comprar pelo menos três presentes, o valor médio por presente é de R$ 82.

Local de compra
Quanto ao possível local de compra, destacam-se os shopping centers (45,5% das respostas), os centros comerciais (34,4%) e as lojas de rua (24,2%), sugerindo movimento intenso em todo o comércio.

Dia da compra
Apesar de grande parte dos consumidores não declararem dia específico para as compras (47,1%), a conveniência de funcionamento é fator essencial para o atendimento do consumidor, já que 31,0% relataram ter o sábado como o dia ideal para as compras. Além disso, os entrevistados revelaram que as promoções e políticas de preços serão fundamentais para atrair sua atenção, com 45,6% e 33,8% de citação, respectivamente.

Fonte: Diário do Nordeste