Indústria de HPPC tem prejuízo financeiro de R$800 milhões com inconsistência no Sistema Eletrônico da Anvisa


Há mais de 20 dias que peticionamentos eletrônicos estão com dificuldades de serem realizados no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para regularização de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC). Essa inconsistência no Sistema de Automação Eletrônico (SGAS) e no DATAVISA já resultou no prejuízo aproximado de R$800 milhões no faturamento do setor, além de cerca de três mil processos não efetivados.

“Essa falha afeta diversos segmentos em efeito cascata. A indústria deixa de lançar produtos diferenciados e suprir a cadeia produtiva, o comércio de vender e gerar oportunidades de trabalho, o governo de arrecadar impostos e o consumidor de adquirir itens essenciais para a sua saúde e bem-estar“, afirma João Carlos Basilio, presidente executivo da ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos.

A implementação do site, em 2014, tinha como principal objetivo acelerar a análise técnica de pedidos de registros de produtos de HPPC. “Neste caso, a tecnologia tem se mostrado cada vez mais ineficiente para uma indústria que investe cerca de 30% do seu faturamento bianual em lançamentos”, finaliza Basilio.